segunda-feira, 2 de julho de 2012

A história verde da civilização

Autor(es): Alexandre Mansur e Marco Vergotti
Época - 18/06/2012



Como o que fazemos com a natureza determinou o sucesso ou o fracasso das civilizações desde a Antiguidade até hoje

Os humanos ergueram a civilização graças a sua engenhosidade, iludidos pela impressão de que podiam dominar a natureza sem consequências. Na Pré-História, consolidaram seu domínio acabando com outros hominídeos concorrentes, como os neandertais ou os Homo erectus. Extinguiram grandes espécies, como os cangurus de 3 metros da Austrália, os mamutes da América do Norte e as preguiças-gigantes da América no Sul. Com o desenvolvimento tecnológico, a exploração predatória de recursos começou a levar à falência algumas empreitadas. O caso mais clássico ocorreu na Ilha de Páscoa, onde a população montou uma sociedade sofisticada, com conhecimentos de astronomia e artes, mas ignorante de ecologia. Desmataram a ilha e inviabilizaram a própria agricultura. Quando os europeus os encontraram, restavam poucos descendentes maltrapilhos que recorriam ao canibalismo para sobreviver. Outros fracassos estão escondidos sob nossos pés. No século XIX, o Vale do Paraíba, entre o Rio de Janeiro e São Paulo, sustentou o império do café, movido a trabalho escravo e desmatamento. Quando a Mata Atlântica mais exuberante do país foi toda queimada, o solo empobrecido e seco não sustentava nem capim. Os netos dos barões do café acabaram pobres. Estamos agora diante de novas ameaças. Desta vez em escala global. A história pode nos ajudar a tomar decisões mais sábias.

As civilizações perdidas
5000 a.C.-1300 d.C.

2000 a.C. a 1700 a.C.

SUMÉRIA
Atual Curdistão

Desenvolveram a primeira escrita conhecida. Ergueram a 3000 a.C. uma civilização baseada na agricultura irrigada entre os rios Tigre e Eufrates. A falta de cuidado levou à salinização do solo. Entre 2400 a.C. e 1700 a.C., a produção caiu 65%, mesmo com a substituição do trigo por cevada, mais tolerante. A terra ficou branca, e a Suméria ruiu.

600 a.C. a 300 a.C.

FENÍCIOS E GREGOS
Mediterrâneo

As florestas mediterrâneas, especialmente ricas em cedros do Líbano, se estendiam do Marrocos ao Afeganistão. Eram matéria-prima essencial para a construção e navegação dos fenícios. Foram gradualmente destruídas. Os gregos tiveram de plantar oliveiras para conter a erosão das encostas nuas.

250 a.C. a 900 d.C.

MAIAS
México

Fizeram pirâmides e observatórios astronômicos. Corrigiam o solo para plantar milho. Desmataram tanto que as chuvas diminuíram em até 20%. Começaram a passar fome e entraram em decadência antes da chegada dos espanhóis.

600 a 1200 d.C.

ANASAZIS
Estados Unidos

A sociedade anasazi floresceu por volta do ano 600 e ruiu antes de1200. Chegaram a levantar prédios com seis andares e 600 cômodos, usando pedras e estruturas com vigas de madeira. Acabaram com as florestas da região. A agricultura esgotou o solo. Foram dizimados por uma sequência de anos secos.

1200 a 1700 d.C.

RAPA NUI
Ilha de Páscoa

Os primeiros habitantes da ilha a chamavam Rapa Nui. Ergueram uma civilização com conhecimentos sofisticados de astronomia e construíram as famosas estátuas, os Moais. Desmataram toda a ilha, gerando seca e solos inférteis. Foram dizimados pela fome, pela guerra civil e acabaram praticando canibalismo.

O impacto ganha escala
1400 a 1930

1492 a 1800

COLONIZAÇÃO DO NOVO MUNDO
Américas

Os europeus encontraram uma população com 50 milhões a 110 milhões de pessoas isolada do mundo há 10 mil anos. Doenças como a gripe e a varíola mataram mais do que as armas, a fome e a escravidão. Ratos e esquilos europeus exterminaram espécies nativas.

1750 a 1850

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Europa

A invenção de máquinas a vapor movidas a carvão permitiu a produção em massa de roupas, carros, trens e comida. Criou uma nova sociedade de consumo e conforto, assim como a poluição do are o aquecimento global pela queima de combustível fóssil.

1830 a 1909

DESCOBERTA DO PETRÓLEO
Europa

O início da exploração de petróleo na Rússia, na Polônia, nos EUA e no Canadá substituiu o carvão. Gerou mais riqueza e conforto e agravou o aquecimento global. Em 1909, a indústria inventou o plástico, material sintético que nunca se decompõe.

A descoberta das consequências
1830 a 1970

1830 a 1888

CAFÉ
Brasil

Os fazendeiros do Brasil plantavam café, um dos produtos mais valorizados do mundo, no Vale do Paraíba. Os lavradores derrubaram a Mata Atlântica mais rica do país. A lenha alimentava a ferrovia Central do Brasil. A prática gerou erosão e esgotamento do solo. No fim, a terra não dava nem para capim. Os barões do café faliram.

1914

POMBO-PASSAGEIRO
Estados Unidos

Os primeiros colonizadores europeus encontraram uma população de 5 bilhões de pombos-passageiros (Ectopistes migratorius) nos EUA. Eram de 20% a 40% das aves do continente. Os bandos escureciam o céu à e levavam horas para passar voando. A caça e o desmatamento acabaram com eles. O último da espécie morreu em 1914.

1934 a 1936

DUST BOW
Estados Unidos e Canadá

O desmatamento do Meio-Oeste para agricultura expôs o solo e mudou o clima local. O solo nu começou a secar e erodir. Tempestades de areia assolavam as cidades da região. A quebra das safras agravou a fome na crise financeira dos anos 1930.

1945

HIROSHIMA
Japão

No dia 6 de agosto, na Segunda Guerra Mundial, os EUA lançaram uma bomba atômica na cidade. De 90 mil a 166 mil pessoas morreram nos quatro meses seguintes. Surgiu ali o medo da radiação usada para fins pacíficos nas usinas nucleares.

1952

GREAT SMOG
Inglaterra

Em dezembro de 1952, condições atmosféricas impediram a dispersão da fumaça de carvão das chaminés. A névoa cobriu Londres. Cerca de 25 mil pessoas adoeceram e 6 mil morreram. O evento deu força ao incipiente movimento ambiental na Europa.

1974

BURACO DE OZÔNIO
Planeta Terra

O químico mexicano Mario Molina publicou o primeiro estudo que mostrava a redução na camada de ozônio da alta atmosfera, provocada por gases CFCs usados em refrigeradores, sprays e na indústria. O fenômeno aumenta nossa exposição a raios solares cancerígenos. Um acordo internacional de 1987 começou a eliminar esses gases.

1984

BHOPAL
Índia

O vazamento de gás de uma fábrica de pesticidas da Union Carbide, em Bhopal, causou a morte de 3 mil pessoas nas semanas seguintes e 8 mil nos anos posteriores. O desastre mudou as regras de segurança das indústrias.

1984

CUBATÃO
Brasil

Em 24 de fevereiro, um duto de gasolina sob a favela de Vila Socó explodiu, matando 99 pessoas. Em 1993, surgiram denúncias de depósitos clandestinos de substâncias tóxicas da Rhodia. Desde então, as indústrias investiram US$ 1 bilhão em redução de poluentes e segurança.

1986

CHERNOBYL
Ucrânia

Em 26 de abril, o núcleo de um dos reatores da usina explodiu. A nuvem radioativa chegou à Alemanha. O acidente causou diretamente 50 mortes e estima-se que tenha contribuído para doenças letais de pelo menos 4 mil pessoas.

1987

CÉSIO-137
Brasil

Em 13 de setembro, catadores encontraram uma cápsula de césio-137, altamente radioativo, dentro de um aparelho médico num depósito de lixo em Goiânia. Nos primeiros dias, o governo do Estado escondeu o perigo, dizendo que era um "vazamento de gás”. No total, 249 pessoas foram contaminadas 3 29 adoeceram. Quatro morreram.

A política ecológica
1992-2012

1992

RIO 92
Brasil

A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, de 3 a 14 de junho, reuniu representantes de 172 países, entre eles 108 chefes de Estado. Criaram as negociações sobre clima, desertificação e biodiversidade. Os eventos paralelos, reunidos no Fórum Global, foram o primeiro grande encontro mundial de ONGs.

1996

VACA LOUCA
Europa

O uso de ração de origem animal para alimentar bovinos herbívoros gerou uma doença batizada de síndrome da vaca louca. Ela contaminou a carne, matando 166 pessoas no Reino Unido e 44 em outros países. Alimentou o medo de uma técnica diferente: os transgênicos.

1997

PROTOCOLO DE KYOTO
Japão

Após anos de negociações, foi o primeiro acordo internacional para reduzir as emissões dos gases responsáveis pelas mudanças climáticas. Embora insuficiente, ainda é o único tratado em vigor.

2005

KATRINA
Estados Unidos

Atingiu o Estado da Louisiana, inundou Nova Orleans, matou 1.836 pessoas e gerou US$ 81 bilhões de prejuízos. Foi usado como amostra das consequências das mudanças climáticas, embora não exista certeza de que o aquecimento a Itere a força dos furacões.

2007

IPCC
França e Bélgica

O painel, organizado pela ONU desde os anos 1990, reúne milhares de pesquisadores do mundo todo para estabelecer o consenso científico sobre o clima. Os relatórios de 2007 mostraram mais claramente o papel humano no aquecimento e suas consequências. Tornaram-se referência para empresas e governos.

2011

FUKUSHIMA
Japão

O terremoto e o tsunami que atingiram o Japão em 11 de março provocaram falhas nos sistemas de usina nuclear Fukushima Daiichi. O núcleo de três reatores fundiu. Um perímetro de 20 quilômetros foi evacuado. índices de radiação subiram até em Tóquio. A crise foi controlada, mas a indústria nuclear não se recuperou.

Matéria retirada do site: 




Nenhum comentário:

Postar um comentário