segunda-feira, 3 de julho de 2017

Unicamp poderá fazer o uso que quiser da área da Fazenda Argentina, que adquiriu em 2014?

























Unicamp comprou a Fazenda Argentina em 2014.
Pagou 157 milhões.
A idéia era fazer um plano diretor .
Mas a área já é CIATEC, e portanto sujeita a regras da lei 8252/95 que DISPÕE SOBRE O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA ÁREA DESTINADA AO PARQUE II DO PÓLO DE ALTA TECNOLOGIA DE CAMPINAS.
Vejam no mapa toda a área que o Ciatec engloba http://www.ciatec.org.br/site/conteudo/pagina/1,32+Polo-II.html


O reitor que efetuou a compra, José Tadeu Jorge, afirma na entevista que :
-“A área do Parque Tecnológico, vizinha da fazenda, também deverá ser beneficiada"
-As prioridades para ocupação, segundo o reitor, ainda dependem de um debate interno na Universidade
-Até o parque científico e tecnológico, que tem algum espaço ainda na área atual, mas que imaginamos, que esse espaço vai, rapidamente, será esgotado. É outra área que faz fronteira com a nova área. Permite uma ampliação. A limitação de espaço é grande para praticamente todas as faculdades e institutos. E o adensamento dessa área. Não podemos pensar só em subir um prédio de dez andares. Ninguém vai andar ali. É preciso ver a mobilidade. Isso imobilizava o crescimento. A circulação está totalmente comprometida na área atual.
-Essa ocupação da área vai provocar um intenso debate na comunidade.


Contrario à compra:
Para o professor Jorge Stolfi, do Instituto de Computação, o dinheiro pago pela fazenda poderia ser investido”em dois cursos novos de graduação”. O professor questiona ainda o preço da terra. “Para mim, a área tem valor comercial bem menor do que o valor negociado porque é cortada por uma avenida e tem áreas de preservação ambiental que limitam a exploração da área”, argumentou. “Mas o que mais me incomoda é comprar uma área sem que tenha nenhum plano de ocupação”, disse.


Vídeo da compra:


Nenhum comentário:

Postar um comentário