quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Inventário, valoração, situação atual e plantios de árvores no bairro Cambuí-Dia 11/12/15















O Movimento Resgate Cambuí convida para a apresentação e discussão da situação atual da arborização do bairro Cambuí :
Inventário, valoração das árvores e novos plantios.

Data : 11/12/15 ( sexta-feira)
Horário : Das 10h00 às 12h00
Local:  Plenário da Câmara de CampinasAv. Eng.Roberto Mange 66 –Ponte Preta-Campinas(SP)

Palestrantes:
José Hamilton Aguirre Júnior –Engenheiro florestal ,Mestre em arborização urbana e professor da Faculdade Cantareira (http://www.escavador.com/pessoas/2250995 )
Demóstenes Ferreira da Silva Filho- Engenheiro agrônomo e professor Doutor da ESALQ/USP (https://uspdigital.usp.br/tycho/CurriculoLattesMostrar?codpub=F7A54574558F )
Material sobre o que será apresentado está no site da  ONG http://www.resgatecambui.org.br/



Sobre:
-O bairro Cambuí, em Campinas, é o único na cidade que tem todas suas árvores inventariadas.Os trabalhos foram feitos em 2007 pelo professor José Hamilton e em 2012 pelo professor Demóstenes.
A valoração é de 2012 e vem sendo atualizada .

-O Movimento Resgate Cambui além de participar dos inventários, também participa do Projeto Cambuí Verde que planta árvores pelo bairro com a efetiva participação da sociedade - http://blog.individuoacao.org.br/2014/06/arvores-urbanas-campinas-radio-cbn.html

Outros Links:




Movimento Resgate Cambuí









 =======================================================================




 Câmara abriga evento para discutir a arborização do Cambuí - 
 transmissão ao vivo












Câmara abriga evento para discutir a arborização do Cambuí



Por iniciativa do vereador Artur Orsi (PSDB) e da ONG Movimento Resgate Cambuí a Câmara Municipal de Campinas abriga nesta sexta-feira (11/12) um evento com o objetivo de discutir a atual situação da arborização do Cambuí.
A discussão será feita pelo engenheiro floresta, mestre em arborização urbana, José Hamilton Aguirre Júnior; pelo engenheiro agrônomo e professor doutor da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), Demóstenes Ferreira da Silva Filho.
O bairro Cambuí, em Campinas, é o único na cidade que tem todas suas árvores inventariadas. Os trabalhos foram feitos em 2007 pelos professores que estarão na Câmara. A valoração é de 2012 e vem sendo atualizada.
O Movimento Resgate Cambuí além de participar dos inventários, também participa do Projeto Cambuí Verde que planta árvores pelo bairro com a efetiva participação da sociedade
O evento será realizado no Plenário da Câmara, a partir das 10 horas, com transmissão ao vivo pela TV Câmara Campinas, no canal 61.3 em UHF Digital, no canal 4 da NET e no site www.campinas.sp.leg.br.
O Plenário da Câmara fica na Avenida Engenheiro Roberto Mange, 66 – Ponte Preta.
Texto e Foto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Campinas



3 comentários:

  1. Video resumido:
    Arborização do Cambuí -debate na Câmara
    https://www.youtube.com/watch?v=PVD-YeJEg4c

    ResponderExcluir
  2. Video completo do evento
    Arborização Cambuí-debate Câmara 11/12/15
    https://www.youtube.com/watch?v=3lZHZFi8mqo

    ResponderExcluir
  3. Inventário, valoração das árvores e novos plantios.
    (debate da situação atual da arborização do bairro Cambuí)
    A ONG vem realizando há mais de 8 anos, um amplo trabalho que compreende a discussão e conscientização dos moradores sobre a necessidade de melhoria das condições urbanas da região central como: enterramento e compartilhamento de toda a rede de serviços públicos, padronização e nivelamento de calçadas, melhoria da drenagem e, por último e com mais ênfase, a necessidade de melhoria e de priorização do planejamento, da implantação e da manutenção adequados da arborização urbana.
    A carência de vegetação reflete diretamente na qualidade de vida e conforto ambiental dos cidadãos, representa gastos com saúde devido ao ar poluído e seco, maior gasto com a conservação de asfalto, devido à ação direta do sol e da chuva sobre o pavimento, que seria reduzido pelo sombreamento e proteção das copas, maiores gastos com energia – aparelhos de ar condicionado e ventiladores, ao não se aproveitar o efeito refrigerador e estabilizador climático da vegetação nas calçadas, jardins, praças, canteiros centrais e áreas verdes, bem como o maior efeito direto de chuvas e enxurradas, ao não encontrarem a barreira e contenção das árvores e de suas estruturas.
    Palestrantes:
    Engenheiro Florestal, Mestre em Arborização Urbana, professor de Paisagismo na Faculdade Cantareira e Servidor Público na Secretaria do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo – José Hamilton de Aguirre Junior
    1- o histórico da arborização campineira
    2- O censo da arborização do bairro Cambuí – o primeiro realizado em Campinas realizado em 2007, que detectou a presença de 2.087 plantas de calçada entre árvores, arbustos e palmeiras, sua grande diversidade, a grande massa vegetal ocupada pela copa dessas árvores que correspondia a 13,9ha, área superior a do Bosque dos Jequitibás que tem aproximadamente 10ha e a distribuição das espécies dessa arborização. Destacou a presença cada vez maior de arbustos e do pequeno porte, que vem alterando o perfil da vegetação viária local, bem como as consequências diretas desse fenômeno.
    3- A problemática principal – a penetração das redes subterrâneas de serviços públicos, que, em conjunto com a rede aérea de energia, tem sido grande mote de problemas à manutenção de uma arborização eficiente e de qualidade, a questão da revitalização da Av. Francisco Glicério que não contemplou arborização, mesmo com o enterramento de toda a rede aéres.
    4- O projeto “Cambuí Verde
    Engenheiro Agrônomo, Professor Doutor de Silvicultura Urbana da Universidade de São Paulo – Demóstenes Ferreira da Silva Filho.
    1-A valoração da arborização do Bairro e de seus serviços ambientais, de acordo com atualização do censo da arborização do Cambuí, em 2012;
    2-Apresentação do perfil das espécies de árvores no bairro e da sua modificação;
    3-A constatação da perda monetária e em massa de cobertura vegetal do patrimônio arbóreo, da ordem de 35% em aproximadamente 10 anos de análise;
    4-Pesquisas de ponta e atuais na área.
    (assessoria de imprensa da Câmara Municipal de Campinas)

    ResponderExcluir